segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

MINHA RAINHA
Era uma vez uma mulher forte e bonita, que nem o nascer do Sol...

Ela, que nunca brincou quando criança e tão pouco teve boneca, sonhava em ter cria pra poder botar nela todo grande amor que não cabia em si.

Quando chegou a hora de sua criança vir ao mundo, a danada de lá de dentro da barriga, quis desistir...

_Muito esquisito esse lugar aí - pensou...

E nasceu de fórceps, que quando a vida avisa que chegou a hora e você não presta atenção, ela te empurra...ou te puxa, como no caso.

Foi assim que elas se olharam pela primeira vez: no susto! Levou tempo pra passar...

Meninota, via aquela mulher corajosa enfrentar o mundo... Bonita de um jeito, que já tinha sido até miss... Com coroa e tudo... Feito rainha...

Mas a rainha de sua vida, quis - diferente da de Copas da Alice - cortar-lhe as asas, invisíveis pro mundo, visíveis demais pra ela.

Foi então que a princesa encantou-se passarinha e voou tão longe quanto pôde... Aprendeu a voar bem alto, mas perdeu várias penas e penou um tanto, por conta da mudança climática da vida.

O tempo virou uma vez e ela, sentindo saudade do ninho, resolveu criar o seu - com ovo e tudo! Ficou dentro de si, prestando atenção nas horas e no silêncio; descobrindo o amor. Mas era um tempo de muito vento e o ovo caiu do ninho, que não estava seguro o suficiente e se espatifou...

Então, tornou a princesa passarinha a voar outro tanto... Bom de princesa passarinha é que não tem esse negócio de esperar príncipe, que no céu cavalo voa sozinho e passarinho não anda em cavalo.

O tempo virou uma, virou duas vezes e ela botou outro ovinho... Chocou este de um jeito mais seguro, tomando cuidado pra apará-lo, caso viesse o tempo bravo.

Os dias foram chacoalhados por trovões, mas a tempestade passou... Por sorte, as penas só estavam molhadas. Ufa! É difícil segurar ovo no ninho, sozinha.

Quando o ovo quebrou, nasceu dele uma luz que fez a princesa passarinha lembrar-se de quem era e...Pronto! O encanto se desfez e ela voltou a ser humana, feito mulher...Uma menina nos braços e a coragem herdada.

O tempo virou uma, virou duas, virou três vezes e ela reencontrou a rainha.

Mas agora não era mais princesa e o susto já tinha passado; nem quis voar pra longe. Também a rainha não queria mais cortar suas asas... Queria era acariciá-las, fazendo-as ainda mais leves.

Chegou o mais perto que pôde e percebeu que a vida tinha passado tantas vezes por ali, que deixou marcas no corpo da primeira, tornando-a ainda mais bonita. Sua força agora, vinda de um dentro bem profundo, sai em forma de sorriso fácil e gostoso.

Não se cansa de visitá-la, pra não dar tempo de a saudade chegar, e a observa pra ver se aprende as coisas... Hoje, a rainha ajuda a mulher a arrumar suas asas invisíveis e esta consegue ver a coroa na cabeça da rainha, novamente. Ela brilha muito e faz com ela queira ser tão forte, corajosa e bela como sua rainha e ainda, que tenha a certeza de que seremos felizes, tanto quando pudermos ser.

E essa história entrou por um pé de pato, saiu por um pé de pinto. Quem souber de outra, que me conte cinco.

O Cláudio me ajudou a fazer este filminho pra minha mãe... Um presente de memória afetiva... Ela fez aniversário ontem. Parabéns, mãe!

video

Inté.